Skip to content

Velha capital

02/11/2011

Um tarde comum de um dia qualquer
Em lugar nenhum, onde há tanta da fé
Um cheiro que a água deixou na terra
Carrega os sonhos para longe da serra

Lá onde a água molhava uma criança
Lá na terra do doce, bola e esperança
Os verões traziam sorrisos e cicatrizes
E a toda chuva hão de lembrar felizes

Um menino esquecido, infelizmente
Porém sempre vivo dentro da mente
Em lugar qualquer do meu coração

A criança que corria na rua da gente
Lembra a velha capital solenemente
E sempre sorri a cada novo verão

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: